segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Férias!


Ilustração para a Folhinha de São Paulo do dia 07-07-2007
Tanto na ilustração da capa como na ilustração da página central, utilizei acrílico e pastel seco sobre papel. Na da capa, colei encima da ilustração as fotos do fotógrafo Renato Stockler no Photoshop. O texto da página central é da Maristela do Valle.

8 comentários:

  1. oi Ellen...
    Sairam as revistas Toca e Peteca...
    Você já recebeu?
    Ficaram super legais!
    beijocas...

    ResponderExcluir
  2. Amei seus trabaçhos, Ellen. Vou linkar no meu blog pra me inspirar, sempre!...
    parabéns pelo talento, viu!!

    ResponderExcluir
  3. Ellen,
    Seu livro em parceria com a Lenice Gomes é a dica de leitura da semana em meu blog. Sou jornalista e escritora, tenho quatro livros infantis publicados e desde junho mantenho o blog http://contoscantoseencantos.blogspot.com
    Adorei o seu trabalho e em especial o livro, lançamento da Cortez. Seu site e seu blog e o da Lenice já estão entre as indicações de "passeios imperdíveis do meu blog!
    Grande abraço,
    Alessandra Roscoe

    ResponderExcluir
  4. Oi Ellen! Deixei uns recados no site e agora aqui no blog! Parabéns pelo seu trabalho, o envolvimento, a interação e o encantamento das crianças eu pude ver pessoalmente. E as ilustrações, demais!
    Voltarei sempre!
    Um abraço
    Fabio

    ResponderExcluir
  5. Oi Ellen, tudo bem? Fiz um blog e adicionei o link do seu lá! Dê uma passadinha para ver as novidades!
    Beijo,
    Tânia.

    ResponderExcluir
  6. DISCONTOS DE FADAS

    Você também adora contos de fadas?
    E quando era criança, ouvia muitas estórias, muitos disquinhos, via os desenhos sempre de novo?
    Como essas estórias encantaram a sua vida e ainda habitam a sua imaginação?

    Estou fazendo uma pesquisa sobre isso e estou colecionando estórias pessoais sobre contos de fadas. O projeto está só começando.
    Como eles participam afetivamente na vida das pessoas, se transformam e ganham novos significados de acordo com as esquisitices de cada um. Fatos que aconteceram com você, ou algo que você imaginou...
    As estórias recebidas vão sendo publicadas num blog, e eu vou pouco a pouco ilustrando com colagens essas recordações, sonhos encantados, curiosidades e milmaravilhas.

    O endereço do blog é: http://discontosdefadas.blogspot.com/
    conheça também o blog com os meus trabalhos como artista: http://adrianapeliano.blogspot.com

    DIVULGUE E PARTICIPE!
    Escreva a sua estória, sua idade, profissão, o seu nome, (o de verdade ou outro que você goste) e envie para:alicemaravilha@gmail.com

    um abraço

    Adriana Peliano

    ResponderExcluir
  7. Olá Ellen, estou realizando o meu estágio curricular do curso de Pedagogia e estou explorando o projeto Contando e Criando histórias na Educação Infantil. Iremos trabalhar o livro Csa Botão e ao procurar maiores informções do livro encontrei o teu blog. Gostaria de saber se você tem interesse em obter maiores informações sobre o nosso projeto pois grande parte dele será a partir das lindas imagens feitas por ti. Meu e-mail é brunagueiral@gmail.com

    ResponderExcluir
  8. FLORA

    Autora: Bartolomeu Campos de Queirós
    Ilustradora: Ellen Pestili

    Não sei por onde começar a escrever minhas resumidas impressões de Flora... Já tentei vários começos e nenhum alcança o meu desejo de estar a altura de Bartolomeu Campos de Queirós... Também, que pretensão ingênua e fantasiosa a minha... É que, Bartolomeu é tão sensível, tão poético, tão delicadamente revolucionário, no sentido de cutucar meu peito, fazendo-me respirar lenta e transformadoramente, que gostaria de escrever um pouquinho metaforicamente como ele, pelo menos aqui nesse momento, mas pelo visto, só usando suas próprias palavras. É que sinto ele tão profundo com as palavras, que não encontro outras para descrever Flora. Sigo, tentando...

    Flora me faz lembrar do nome da minha saudosa bisavó Floripes. Onde será que ela está? No eterno, responderia Flora. Uma personagem admiradora do tempo, do tempo que venta as folhas das árvores, soprando sementes pelo mundo. Do tempo que nunca efetivamente morre, porque renasce o tempo todo. Do tempo infinito da mãe, da terra, que gesta, que pare, que cresce, que morre e que volta a viver. Do tempo calmo que para, prepara o solo, semeia, colhe e contempla cada tempo, o tempo todo. E a todo tempo, a cada palavra, Bartolomeu perpetua a minha sensação de que a minha bisa vive árvore ou semente em outras terras...

    ...

    http://psicoterapiaepoesia.blogspot.com/2012/01/flora.html

    ResponderExcluir